• CONCERTOS
  • 17 de Abril 2015

    White Magic | Coelho Radioactivo

    White Magic 3 by Angie Gray_webFoto: Angie Gray

    .

    White Magic

    O entendimento folk segundo os White Magic, banda liderada por Mira Billote, subsiste em indagar o belo, o enigmático e tudo o que possa existir entre um elo e o outro. Tornaram-se senhores de um estilo encantatório logo desde o primeiro EP Through The Sun Door, porém sempre mantiveram uma presença modesta no contexto musical em que surgiram – circa 2000/01 – na então hiper germinadora Nova Iorque via Brooklyn. Depressa assinaram para a Drag City, uma das mais distintas editoras de música independente norte-americana, e logo embarcando em apresentações com Will Oldham ou Thurston Moore.

    Distinguem-se pela voz carismática de Mira que se eleva por entre as composições cuidadas e detentoras de um sentido de sedução inato, como um estado de hipnose. Escutamos a ressonância do blues assim como cânticos espirituais que rodopiam no universo banda sem que assentem inteiramente numa posição reconhecível. De modo inverso a outros contemporâneos seus que se entregaram de corpo e a alma a uma abstracção de dimensão xamânica – reinada pelos poderosos No-Neck Blues Band – nos White Magic a concentração parte inicialmente na melodia para atingir à posteriori eventuais efeitos extra-sonoros. É curioso reparar que as harmonias inusitadas, ao piano ou à guitarra e que lhes confere uma genética ímpar, remontam em certa medida aos saudosos Quix-o-Tic, a primeira banda de Mira. Por lá pairam os momentos chave de tensão, de pausas e silêncios, tal como bizarras paisagens entre o macabro e a horrífico, embora actualmente desmarcados da estética pós punk que envolvia a banda. Uma deliciosa versão do clássico Katie Cruel de Karen Dalton permitiu-lhes uma maior exposição durante o ano de 2006, altura em que a longa duração Dat Rosa Mel Apibus vê por fim a luz do dia. No entanto, esta não seria a única incursão de sucesso em covers visto que um ano depois participariam dessa forma no filme de Todd Hayes, I’m Not There inspirado no mito de Bob Dylan.

    Contam-se cerca de cinco anos desde a estreia dos White Magic em Lisboa. Às melhores memórias dessa actuação, deverá juntar-se agora este concerto de cariz especial por três grandes motivos: pela longa ausência dos palcos, pelo facto de estar prestes a ser editado um novo EP e desta ser uma rara apresentação a solo de Mira Billotte . Como se deve calcular, uma experiência que dificilmente se repetirá. NA

    .

    + info: Tumblr | Facebook | Drag City | Artigo | Vídeo | Vídeo

    .

    CoelhoRadioactivo_by_DiasVieira_03_web

    Foto de Dias Vieira

    .

    Coelho Radioactivo 

    Não se julgue que a tenra idade não possa trazer conteúdo embriagado de coisas normalmente mais associadas à idade adulta. Talvez fosse mais expectável se João Sousa se entregasse de corpo desnudo ao hedonismo do punk rock mas nesse caso perde-se-ia um jovem promissor escritor de canções.

    É sob a designação de Coelho Radioactivo que tem edificado um sólido baralho de composições, disposto com o preceito digno de um castelo de cartas. Integrante na editora online Gentle Records (onde se encontram também Flamingos e Moxila), desde 2011 que faz da sua página de Bandcamp uma montra por excelência do que vai produzindo e ali partilhando. E há muito para escutar, entre mini álbuns e dois de longa duração, de onde se destaca o mais recente e amplamente aplaudido Canções Mortas. Disco ousado pelos motivos acima transcritos mas igualmente pleno de detalhe, aprumo e eficácia. Reconhecem-se as paisagens montanhosas de Amen Dunes ou as noções de espaço sugeridas por Mark Hollis. Alusões dispersas como quem “espera que a inspiração venha e depois pede-lhe para ficar um bocadinho” segundo palavras do próprio.

    Para esta sua estreia no Aquário convidou Luís Gravito, um dos mais jovens e incansáveis cantautores nacionais enquanto Cão da Morte. Os dois estarão em palco para alguns temas num desfilar de classe garantida, numa história que promete não ficar por aqui. NA

    .

    Formação:
    João Sousaguitarra, farfisa e voz
    Luís Gravito: voz

    .

    + info: Facebook | Bandcamp | Vímeo | Artigo | Vídeo

    .

    Entrada: 8€ | Bilhetes disponíveis na Flur e Tabacaria

    .