• CONCERTOS
  • Quinta, 19 de Abril às 22h

    Taku Sugimoto & Minami Saeki | Sã Bernardo

     

     

    Taku Sugimoto & Minami Saeki

    Da natureza mais delicada, honesta e ténue no domínio das canções, ‘Songs’ registou no ano passado e para a posteridade o encontro entre o idiossincrático guitarrista e a jovem performer, dançarina e vocalista. Com edição pela Slub, ‘Songs’ privilegia a emoção crua e atmosférica da cantilena em detrimento do rigor austero da composição, onde a fragilidade da voz de Saeki e os arranjos esparsos evocam para si uma criação momentânea imbuída numa aura beatífica e rarefeita. Da essência.

    A criar desde o final dos anos 90 uma linguagem à guitarra somente sua, Sugimoto é uma das almas iluminadas da improvisação, amplamente reconhecida e reconhecível na sua depuração e introspecção que leva a que se fale muitas vezes – e pela sua própria genealogia – em aproximações a estados zen. Na verdade, não deixa de ser inevitável reconhecer nele algumas particularidades do legado cultural nipónico, dos gestos essenciais e rigorosos da caligrafia japonesa à verdade de expressão pura da dança Butoh, traduzidas num silêncio mediado por notas e acordes que cortam com tudo aquilo que seria supérfluo e reduzem à música ao elemento mais essencial. Colaborador habitual da cartilha associada ao movimento de improvisação livre Onkyo – que se traduz em algo como “reverberação do som” – de nomes como Sashiko M e Otomo Yoshihide, teve também encontros abençoados com luminários do silêncio como Radu Malfatti,  ou Keith Rowe.

    Com formação em ballet clássico e contemporâneo, Minami Saeki tem-se desdobrado em várias facetas que passam pela performance, pela representação e pelo canto, tendo já colaborado com nomes como Junichiro Tanaka, Manfred Werder ou Wakanaka Ikeda. Apesar de um contacto inicial com Sugimoto em que a música deste último lhe foi difícil de compreender, foram conjuntamente chegando a um entendimento comum, que após uma ideia inicial em que o álbum seria feito de composições para somente para voz acabou por dar origem à beleza suspensa de ‘Songs’. Uma calma que invade o Aquário. BS

    .

     

     

    Sã Bernardo

    Nos últimos anos Bernardo Álvares tem sobretudo feito música enquanto improvisador em diversas formações ad-hoc ou em bandas como Zarabatana ou Alförjs, mas também como parte da banda de Luís Severo. O trabalho a solo surgiu da necessidade de encontrar um espaço de crescimento metódico e de liberdade de linguagem, onde se concentre em si o controlo para abraçar o incontrolável, onde possa expressar as contradições das multlipicidades do ser. Um alimentar de egomania numa exposição nua de técnicas extendidas, de minimalismo e drone. A solidão como forma de união através da reverberação.

    .

    + info: Crítica | Vídeo | Site  | Vídeo | Sã Bernardo

    .

    Entrada: 8€ | Entrada livre a sócios ZDB | Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org