• CONCERTOS
  • Sábado, 5 de Janeiro de 2019 às 22h

    RP Boo, Gabriel Ferrandini, Pedro Sousa Trio | RP Boo (dj set)

     

    O encontro com a colecção Bangs & Works foi um choque frontal de muitos com uma música realmente urgente, alienígena e transgressora. Num momento de valente ressaca criativa do dubstep e algum fervor do trap, foi na cidade de Chicago que se resgatou, de novo, as atenções da dança. O ritmo sincopado, as atmosferas densas, a tensão que tudo unia e simultaneamente libertava, fizeram do footwork um viveiro de expressão exótica. Nessa compilação de dois capítulos a brilhante Planet Mu tratou de olhar em redor e apontar o dedo aos melhores representantes do género. Um exemplo perfeito de clássico imediato que de uma só leva reunia DJ Rashad, Traxman, Jlin ou DJ Spinn. Figura essencial neste alinhamento foi igualmente RP Boo, amplamente reconhecido como fonte maior. A longa e resiliente forma como trabalha e não se acomoda a fórmulas, facilmente o coloca como patrão absoluto. Expressa, como mais ninguém, perigo e sedução no exacto instante. E quem ainda, oito anos volvidos da edição Bangs & Works, consegue vislumbrar novos rumos e novas vidas. Com Legacy, Boo sedimentou respeito num álbum bravo, agarrando pela mão o mais desprevenido. Vibrante na diversidade de samples que conseguia buscar, a paranóia rítmica elevava a experiência a níveis sensoriais. Os recantos do hip hop, do jungle ou de bandas sonoras perdidas no tempo, surgiam numa intermitência de luzes strobes e zapping visual, numa espécie de ritual urbano. A filosofia de que todo o tipo de som poderá ser um rastilho assume em RP Boo uma materialização inegável, de constante desafio. O mais recente I’ll Tell You What! é uma lição de um mestre, trazendo toda a maturidade e foco de si expectável, mas com aquele sentido de inquietação de quem ainda se encontra em crescimento. O olho visionário de Boo recorda-nos toda a maravilha que J Dilla, Frankie Knuckles ou Roni Size colocaram no seu devido campeonato – e porque hoje são celebrados como mitos. Claro que a seu tempo, cada coroa chega a cada cabeça, porém assistir a essa coroação, sem pressa e com mais certeza, é um acto de partilha colectiva já raro. Descontente em ficar apenas só atrás de uma mesa enquanto actua, RP Boo apresentou há meses, no sempre vital Café Oto, em Londres, uma actuação até então inédita. Em formato de trio, juntaram-se Seymour Wright e Paul Abbott, dois experientes músicos de jazz exploratório, cada um detentor de um percurso que fala por si. Nesta ocasião, volta a encontrar-se com dois portentos, desta vez de calibre nacional: Gabriel Ferrandini e Pedro Sousa. Os dois são figuras omnipresentes no que de mais vital se passa por Lisboa sendo uma escolha certeira para acompanhar Boo. O que os três irão aqui apresentar é o resultado de uma residência artística na ZDB que certamente desafiará a percepção sobre o seu trabalho até à data. Não serão apenas as paredes a tremer e a suar nesta actuação estelar. NA

     

    +info: Bandcamp | LectureCrítica | Vídeo | Entrevista

     

    Entrada: 8€ | Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org