• CONCERTOS
  • Domingo, 9 de Setembro às 19h

    Remna e convidadas especiais Sara Tavares e Tété Alhinho

     

    Remna Scharwz, ou simplesmente Remna, nasceu na Guiné, viveu em países como Republica Democratica do Congo, Mail, Portugal, França,  ou EUA. O músico guineense Remna recém chegado a Lisboa,  apresentará pela primeira vez a solo na nossa cidade a sua música , trazendo consigo duas convidadas muito especiais Sara Tavares e Tété Alhinho.

    Estado de Nova York…auditório do ensino médio…os corações saltam do peito… O diretor musical faz um sinal para que a banda comece…Remna Schwarz dá dois à frente e olha para a plateia…inicia seu solo vocal, o coro responde delicadamente…logo, ele começa a improvisar, dominado pela emoção… Surpreendido, o publico aclama-o…Remna recebe o seu chamado…Nessa altura com 13 anos… Os anos passados no Senegal, onde nasceu, de uma união entre uma mulher descendente de cabo-verdianos e um músico e ativista bissau-guineense, forjaram sem dúvida sua personalidade. A sua errância em países como a República Democrática do Congo, o Mali, a Guiné Bissau, Portugal, a França, Cabo Verde e os EUA são notados quando Remna Schwarz compõe, canta ou fala. É certo que a sua experiência no Hip Hop, as suas aventuras de backing vocal em uma banda de Reggae e a sua escuta da Música de sua terra natal e do mundo o prepararam para compor. Tal como Keziah Jones ou Ben Harper, vemos a conexão entre o homem e o violão como um fator predominante para a composição, por isso. não é de admirar que os cantores como a Eneida Marta, Karyna Gomes, Fatu Diakite, Sara Tavares e muito mais, queiram que ele componha para eles. Quando ele não está a escrever ou a apresentar-se em palco, as suas habilidades de produção são chamadas para apoiar projetos como a Deedo, a primeira Plataforma Digital de Stream Musical Panafricana da qual ele é um embaixador orgulhoso hoje, ou, é convidado a participar com outros grandes músicos como Luiz Caracol.

    A espinha dorsal é a África, a carne é tudo o resto. Eu imagino músicas como pinturas e pinto preocupações políticas, problemas sociais, amor, traição ou diversão com qualquer cor que me apeteça, mesmo que o sistema e as convicções estabelecidas digam o contrário … afinal, eu sou um artista .

     

     

     

    Entrada: 10€ |Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org