• CONCERTOS
  • 29 de Setembro 2017

    Melt-Banana

    Melt-Banana_Photo01
    Nos idos anos 90, do Japão só chegavam notícias das Pizzicato Five e das Cibo Matto (o duo de Yuka Honda e Miho Hatori, japonesas radicadas em Nova Iorque). O rock estava era esgotante e esgotara-se (escrevia-se aqui e ali). A música queria-se relaxada, descontraída, ou quanto muito suavemente introspectiva. A proposição dos Melt Banana, um ruidoso trio feminino de Tóquio, era desadequada, incompreensível. E até ao fim da década, singrou, discreta, à margem deste país europeu.

    Situação totalmente injusta face à energia, ao humor e à invenção que assolavam discos como Scratch or Stitch (1995) ou Charlie (1998). Os Melt Banana não eram uma qualquer banda de noise rock. Yasuko Onuki e Ichirou Agata (o lugar da ou do baterista foi mudando ao longo dos anos) gostavam e sabiam brincar com os limites dos género. Expandiam os acordes, os tempos, a distorção e as vozes com uma liberdade e invenção que se iam tornando raras. Nos Estados Unidos, gente como Steve Albini, Kurt Cobain, Jim O’Rourke ou Mike Patton estavam atentos (na Inglaterra era o entusiasta era John Peel). E com os Boredoms, os Melt-Banana avançariam, numa benigna e musical invasão nipónica, sobre os EUA. Em 2000, a sua influência já se escutava em Providence, Rhode Island, e na Califórnia. Os The Locust, Arab on Radar, os Deerhood ou os Hella, entre outras bandas, souberam ouvi-las. Em 2013, foi o ano de Fetch, uma verdadeira síntese musical dos anos de estrada e das afinidades que foram estabelecendo, mas, sobretudo, um dos grandes discos de rock desta década. Velocidade, melodia, ruído, melancolia, violência e alegria. Solos de guitarra que podiam ser percussão, riffsque se confundiam com batidas. Já passaram quase quatro anos desde que produziram um novo disco. O que nos reservam nesta noite? Se não forem novas canções, será certamente música nova consagradas às guitarras. Um expressão que resume, sem diminuir, os Melt Banana. JM
    .

    + info: site | facebook | entrevista | audio | audio | vídeo | video
    .
    .

    Entrada: 10€ | Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org