• CONCERTOS
  • Sexta, 20 de Abril às 22h

    Jacuzzi Boys | The Sunflowers

     

    Jacuzzi Boys

    A firmeza e a maturidade irreverente dos Jacuzzi Boys não se apresentam de forma desleal, as cantigas prendem-se por acordes eléctricos, preenchidos de fuzz e assentes nos riffs salpicados pelo Atlântico. É como água do mar, que se agita, é como água do mar, que se esgueira levemente até alcançar areia. Aguenta-se pelo meio de calmaria marítima e parte-se como uma lancha no Mar das Caraíbas. Prosseguem frenéticos, surfam ondas infindáveis até enterrar a prancha na areia. Enquanto os nossos ouvidos se distraíam com os californianos Ty Segall e Meatbodies, em Miami, os Jacuzzi Boys quebravam os estereótipos da insurreição surfista na costa Leste. Gabriel Alcala (guitarra), Danny Gonzalez (Baixo) e Diego Monasteri (bateria) são produto do século XXI com os ouvidos postos no underground do passado. E, de facto, deixar este trio de miúdos entrar pela nossa casa adentro, é permitir que se faça throwback ao garage rock, e é puro revivalismo 60’s dos Kinks ou The Wild Cherries.

    Em 2009, os Jacuzzi Boys surgiram alegres, de felicidade desmensurada, quase descontrolada pela sujidade do garage e através da editora que fundaram – “Asshole Blues”, faixa de Iggy Pop, lançada no ano passado, levou estampada o selo da MAG MAG. No Seasons (MAG MAG, 2009) decretou impetuosidade fuzzadélica, embora desbote juventude, impõe-se pelo headbang veloz e esbarra-se na electricidade dos instrumentos. Cresceram, tornaram-se jovens adultos, experientes, contudo, sem abandonar a rebeldia retratada em Glazin’ (Hardly Art, 2011) e por sua vez, no homónimo, Jacuzzi Boys (Hardly Art, 2013). Um encontro com Jonathan Nunez, dos Torche, levou-o até à cadeira de produtor no EP, Happy Damage (MAG MAG, 2015), uma compilação de seis faixas sustentadas por rock enérgico e imparável. O mais recente disco, Ping Pong (2016) volta à edição DIY, acrescenta ondulações pop e até puxa as barbas à sabedoria punk dos Ramones. Assim vão consolidando um percurso e fixam-se por agora, na extensa, mas bonita família da Burger Records, ao lado dos Kikagaku Moyo, Jacco Gardner, entre outros.

    É neste exímio cruzamento de vertentes rock que somos convidados a entrar, uma jornada sem salva-vidas que terá como destino a estreia em Portugal e na ZDB, onde se prevê agitação marítima e muitas ondas rock n’ roll para agarrar. JH

     

    +info: Facebook | Site | Bandcamp | Crítica | Entrevista

     

    Sunflowers

    Dito pelos próprios “Somos uma banda rock e tocamos música rock para pessoas que gostam de ouvir música rock e assistir a concertos de música rock. Mais info sobre nós, vão ao Google.” Os SUNFLOWERS voltam às edições com “Castle Spell”, o seu muito aguardado segundo álbum. Para comemorar o anúncio, partilham connosco o primeiro single e faixa que dá nome ao álbum, “Castle Spell” que sairá a 9 de Fevereiro de 2018 e terá uma edição em vinil duplo e CD pelas editoras Stolen Body Records e Only Lovers Records, e uma edição especial de cassete pel’O Cão da Garagem.

     

    +info: Facebook | Bandcamp | Entrevista | Entrevista | Entrevista

     

    Entradas: 8€ |Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org

    .