• CONCERTOS
  • Segunda, 2 de Julho às 22h

    Efrim Manuel Menuck

     

    Num percurso iniciado na era pré-internet, com os Godspeed You! Black Emperor como orquestra sombria que até hoje tende em persistir na nossa memória colectiva. Efrim Manuel Menuck não é só um compositor desconcertante como sedimentou um trajecto ramificado entre tonalidades obscuras, paisagens nebulosas e orquestrações experimentais. Pelo meio, o músico canadiano envolveu-se noutra afamada jornada: A Silver Mt. Zion. Uma personalidade artística vincada não só pelo instrumentalismo arrojado, mas igualmente assente no pensamento crítico, nas problemáticas sociais e humanas.  Esta dedicação perdura há duas décadas, com milhares de quilómetros na estrada, entre concertos, estúdios, Toronto – onde cresceu – e Montreal – onde nasceu e se fixou para fundar a Constellation Records e o estúdio Hotel2Tango.

    É no epicentro de uma vida agitada que Efrim Manuel Menuck se dedica às explorações enigmáticas, aos ambientes drone e aos infinitos estratos de efeitos e guitarras. O co-fundador dos GY!BE, embora não se limite apenas a essa indicação, é um autor primoroso, criador de mundos, construídos camada a camada. A corrente libertária que se estende pelos seus inventos, vai desconstruindo cenários, criações atmosféricas que até podem não levar a lado algum, porém, destapam fendas ancestrais, percursos cósmicos que albergam tantas almas irrequietas e outras tantas radiantes. São confrontos entre disparidades cénicas, encontros metafísicos e realidades afortunadas que pairam sobre um relvado num dia solarengo e primaveril. Em poucas fracções de segundo podem erguer-se vozes distantes, acordes soturnos tomando lugar às atmosferas bucólicas e arrastando as composições para lugares nocturnos. Em 2018, apresenta Pissing Stars, o segundo disco a solo, e a sua guitarra liga-se novamente aos loops taciturnos, à reivindicação social e política. Pissing Stars “searches for love in the middle of a hellscape”, escreve a Pitchfork, é o manifesto de Menuck ou como se a quietude penetrasse a turbulência apocalíptica, pela primeira vez a solo em Portugal. JH

     

    + info: Facebook | Bandcamp | Crítica | Crítica | Vídeo

     

    Entradas: 10€ |Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org