• CONCERTOS
  • Sexta, 9 de Novembro às 22h

    Eartheater | Simão Simões

     

    Eartheater

     

    Alexandra Drewchin é um retrato fiel do que se deverá entender por arte marginal. Uma visão, convicção e honestidade que tornam possível conceber o inconcebível, sempre com veneno e antídoto, lado a lado. Uma combustão lenta de emoções complexas e diversas heranças sonoras criando peças autobiográficas entre o celestial e o dantesco. Essa natureza esfíngica da sua música enquanto Eartheater é capaz de desorientar e afastar, na mesma proporção que convida e estimula. De resto, a presença física de Alex é desde logo um corpo em mutação, como se de uma performance se tratasse.

    Ao lado do mago Gregg Fox, na bateria, formou os Guardian Angel, uma das mais maravilhosas convulsões psicadélicas dos últimos tempos. Com os dois primeiros dois álbuns a solo, Metalepsis e RIP Chrysalis, deixou patente que o que fazia era algo urgente e dificilmente replicado. Pegando em elementos da electrónica, do noise ou da folk, germinou um território de experimentação quase panteísta. Essa dualidade de genética efectivamente urbana, mas de cabeça a gravitar em florestas, praias, desfiladeiros, desertos ou selvas. Em tempos, os norte-americanos Black Dice celebraram com genialidade esse estado alucinatório e agora, acidentalmente ou nem tanto, Eartheater chega ao porto onde o trio tinha abarcado dessa aventura. Embora a partilha desse olhar exista, a forma de o expressar é necessariamente diferente; a explosão sónica cede espaço ao mergulho metafísico e os retalhos de sons e vozes somam haikus. O interesse em redor do seu trabalho levou ao reconhecimento de Metalepsis como um dos melhores discos de 2016 (chegando ao título maior pela revista Fact), tendo sido igualmente convidada para plataformas mais familiares, como o por exemplo o Boiler Room.

    Este ano, ela estreia-se numa das editoras mais fascinantes do momento, a PAN. E se muito do seu catálogo se tem tornado vital para um melhor entendimento da música contemporânea, então a presença de Eartheater é aqui mais do que devida. Ou seja, IRISIRI é a melhor entrada possível para este novo capítulo. Tanto se poderia especular sobre este terceiro disco, sabendo de antemão que não nos poderia chegar às mãos uma obra insípida. Mas o seu regresso surpreendeu, uma vez mais. Haverá certamente variados prismas sobre estas composições – e maioria deles procurando compreender esta noção de pop disfuncional criada por Alex. A matéria crua, o sentimento de pertença nómada e um olhar desafiador (artístico, e por isso social, político e pessoal) perante a realidade. Trabalha intencionalmente sob as potencialidades de um clima de tensão, equilibrando-se entre as nuvens e o fogo. IRISIRI explora, com uma legitimidade avassaladora, os limites da canção, o conceito de silêncio e os perigos da expectativa. É sob um intenso manto ambiental alimentado por ritmos esquartejados ao rap ou batidas house adulteradas, que nasce aquela que deverá ser uma obra fundamental deste ano. Esta estreia na ZDB traz uma oportunidade perfeita de escutar e observar como este magnífico e estranho mundo
    de Eartheater se apresenta num palco. NA

    +info: BandcampFacebook  | Soundcloud | Crack | Fader | RA | Crítica

     

     

    Simão Simões

    Simão Simões já se está a tornar num proeminente nome da vanguarda artística lisboeta. O seu inconfundível traço é patente em todos os meios por onde navega: a ilustração, a banda desenhada e a música. O seu projecto autónomo conta com um disco editado – strel – e frequentes passagens pelas casas de Lisboa que edificam as novas correntes de música exploratória que a cidade está a ver crescer. Neste fértil terreno, o seu trabalho destaca-se pela candura que dá aos temas que aborda, num plano que cruza a desconstrução e a harmonia: é o choque de Foodman com anime, Laurel Halo com ASMR, IDM em duas dimensões. Pela fronteira do eu material, produto do seu espaço físico e o eu projectado, idealizado, com as suas mais diversas manifestações num mundo virtual, Simão Simões faz valer a sinceridade com que se expressa, oferecendo-nos uma sentimentalidade genuína na intersecção destes dois universos. Será fácil encontrar conceitos interessantes na panóplia que vemos germinar com cada vez mais frequência, mas a autêntica essência da música é, mais do que fazer-nos pensar, levar-nos àquelas emoções que existem no nosso debaixo da mesa e tirar o pano que as cobre, expondo-nos à nossa sensibilidade de uma forma honesta e humana. Simão Simões é isso. O local seguro onde podemos ser e estar, com compreensão e visão, adequado aos temas e percepções de hoje em dia. Cada concerto e principalmente o seu disco strel são um passo em frente na música experimental, que não existe apenas para testar o hodierno mas sim, como todos os verdadeiros artistas o fazem, para oferecer um novo olhar na realidade dos seus ouvintes – terno e contemporâneo.

     

    +info: Bandcamp | Facebook

     

    Entrada: 8€ |Bilhetes disponíveis na Flur DiscosTabacaria Martins e ZDB (segunda a sábado 22h-02h) | reservas@zedosbois.org