• Fora de Portas
  • 24 de Outubro de 2011

    Bonnie ‘Prince’ Billy no Teatro Maria Matos

    Teatro Maria Matos

    Em colaboração com Teatro Maria Matos
    .

    Nunca pensei muito no que deveria ser a personagem de Bonnie. Simplesmente acontece. Não existe nenhum tipo de restrições; muito pelo contrário, tudo se dá naturalmente. Will Oldham

    .
    A actividade de um músico tem coisas em comum com a de um actor. Desenrola-se num palco, desperta a curiosidade do público e participa na construção de imaginários. Mas num aspecto distancia-se de forma fascinante: ao sobrepor, incessantemente, acção à realidade, e vice-versa. Por isso, descobrirmos na história da música popular tantas narrativas em forma de epopeia, tragédia, comédia ou novela. E, também por isso, os músicos encarnam tão bem o conceito de personagem.

    Desde o início dos anos 90 que Will Oldham é uma personagem feita de vários alter-egos, construído por músicas e imagens (nas fotografias ou em incursões cinematográficas). Testemunhou o último grande sopro artístico do indie rock, recuperou um género proscrito (o country) e deu-nos a ouvir, como se fosse a primeira vez, essa manifestação de uma voz e de um texto chamada canção.

    Fê-lo primeiro num tom desconfiado, quase lúgubre, duro, inspirado tanto pela honestidade do punk, como pelos ecos das montanhas Apalaches. Neste período, os seus discos tinham a assinatura de Palace Brothers, Palace Music ou apenas Palace, e inauguravam, para muitos, um novo género: o country alternativo. A partir de 1997, e até hoje, as coisas mudaram. Oldham abriu-se a versões (Richard Kelly, Leonard Cohen), foi alvo de versões (Johnny Cash, Mark Kozelek, Mark Lanegan) e colaborações (Björk, Current 93, Tortoise), envolveu-se em projectos laterais (com Matt Sweeney) e, sobretudo, tornou as suas canções mais partilháveis, mais próximas de quem as escuta. O humor, a exploração de outros arranjos e tradições da música popular americana (gospel, folk), a presença de vozes femininas e uma certa leveza contribuíram para essa intimidade.

    Só as relações amorosas, a família, a liberdade, os temas eleitos do personagem, entretanto rebaptizada com o nome de Bonnie ‘Prince’ Billy, resistiram ao tempo. Serão por ele cantados nesta noite, na companhia de um grande grupo de músicos e amigos que se estreia em Portugal. JM

    ..

    Will Oldham: voz, guitarra
    Emmett Kelly:  guitarra, voz
    Angel Olsen: voz
    Danny Kiely: contrabaixo
    Ben Boye:  piano, harmónio
    Van Campbell: bateria
    .

    .
    ..
    O concerto de Bonnie ‘Prince’ Billy no Centro Cultural Vila Flor (Guimarães) tem o apoio da ZDBmuzique.
    .