• CONCERTOS
  • 13 de Novembro 2015

    Bitchin Bajas | Eosin

    BitchinBajas_byJeremiahChiu_01
    Bitchin Bajas

    Não seria necessário exigir muito da imaginação para fazer um paralelo entre o binómio Cave/Bitchin Bajas e essoutro mais remoto de Neu!/Harmonia. A banda de Chicago onde Cooper Crain, o nome por trás da entidade Bitchin Bajas, também milita é conhecida por ter recuperado para o presente um certo pulsar metronómico devedor das lições escondidas no som propulsivo dos Neu! O krautrock é, sem dúvida, um dos dialectos que essa banda adoptou e por isso pode olhar-se para Bitchin Bajas como o desvio algo new age que Michael Rother, também guitarrista, encenou com a aventura Harmonia, que criou com os companheiros Moebius e Roedelius (os Cluster).

    Mas a comparação serve apenas propósitos de localização estética. Bitchin Bajas, como de resto os Cave, têm lançado através da Drag City, reputada editora que é também a casa perfeita para estes projectos, dado que o seu catálogo tem vistas desafogadas e percorre sem grandes problemas a distância que separa as paisagens motorik das autoestradas das deambulações cósmicas new age que Cooper Crain explora nessas duas células paralelas.

    Para o concerto na ZDB, no entanto, importa Bitchin Bajas: trio com Cooper Crainor em orgão eléctrico e sintetizador, Daniel Quinlivan em sintetizador e demais electrónica e Rob Frye em flauta, saxofone tenor e ainda mais um sintetizador. Electrónica e sopros. Cosmos e natureza. Os dois grandes destinos das derivas new age que entre finais dos anos 70 e meados dos anos 80 tomaram conta da imaginação de muitos filhos da geração hippie que perceberam que um sintetizador, um gravador e algumas cassetes poderiam traduzir a utopia que continuavam a ouvir dentro das suas cabeças.

    Nos últimos cinco anos, os Bitchin Bajas exploraram essa moldura sónica e espiritual, acrescentando pós de jazz e ecos de mundo aos exercícios que espalharam por uma generosa discografia, de que o título mais recente é Autoimaginary, disco dividido com outra célula criativa de Chicago, os Natural Information Society de Joshua Abrams. A Pitchfork descreveu a música de Bitchin Bajas neste trabalho como “repetitiva, mas subtilmente atravessada por mudanças de cenário e mutações”. Ou seja, a fórmula perfeita para a meditação, para o sonho, acordado ou não, para a projecção astral noutro plano. Para todos fazermos de conta que a ZDB, por uma noite, fica dentro de uma enorme pirâmide de cristal, a flutuar algures sobre um canyon. RMA

    .

    Formação: Cooper Crain orgão eléctrico, sintetizador |  Daniel Quinlivan sintetizador, electrónica | Rob Frye flauta, saxofone tenor, sintetizador

    .

    + info: Soundcloud | Drag City Records | Tumblr | Crítica | Entrevista | | Vídeo | Vídeo

     

    unnamed-6© Silvana Torrinha

    Eosin

    Eosin (Diana Combo) começou a explorar o universo da composição e performance sonora a partir do uso de discos de vinil (deformados ou não), matéria prima que tem vindo a coleccionar para esse efeito.

    Numa fase inicial, as sonoridades resultantes de um processo de colagem de fragmentos de vários discos estaria próxima ao que se designa por plunderphonics. Esta abordagem foi dando lugar a um trabalho de composição mais elaborado, que passou a incluir gravações de campo da sua autoria ou provenientes de arquivos on-line.

    As “novas” composições ou “recomposições” não partem de estratégias conceptuais ou metodologias rigorosamente definidas, sendo antes o resultado de uma exploração mais intuitiva, informada por certos temas de pesquisa teórica e pelo próprio acto de escutar.

    A sua relação com os discos e os gira-discos encontrou ainda outra forma de expressão em várias situações de performance colectiva, sendo utilizados como instrumentos para a improvisação. Neste contexto, teve o prazer de tocar com Andrea Neumann, Ana Veloso, João Martins e Filipe Silva; Antoine Chessex, Werner Dafeldecker, Burkhard Beins, Nate Wooley, entre outros.
    Para esta noite, Eosin apresentará uma nova combinação de discos e outras sonoridades com score aberto ao encontro de sons inesperados.

    + info: Bandcamp

     

    Entrada: 8€ | Bilhetes disponíveis na Tabacaria Martins e ZDB (quarta a sábado das 18h às 23h) | reservas@zedosbois.org