• EXPOSIÇÕES
  • Inaugura a 16 de Maio de 2019

    Anne Lefebvre | Pedro Henriques

    Pedro Henriques Noite Sémen Terra e Anne Lefebvre Ardoise

     

    A Zé dos Bois inaugura dia 16 de Maio, pelas 22h30, as exposições individuais de Pedro Henriques (Porto, 1985) e Anne Lefebvre (Boulogne-Billancourt, 1963). A ligação de Pedro Henriques com a ZDB estreitou-se em 2015 quando o artista instalou atelier numa das salas da Associação, num regime de residência de longo prazo. Durante este período, e a partir de um acompanhamento próximo e regular por parte de Natxo Checa, Pedro Henriques aprofundou um corpo de trabalho que explora as fronteiras entre a imagem e o objecto, lançando desafios cada vez mais sofisticados à capacidade perceptiva do espectador e testando a sobrevivência da imagem na época do seu crescente esgotamento. A relação de Anne Lefebvre com o contexto português tem sido feita sobretudo através das suas publicações. O seu trabalho parte frequentemente da manipulação dos elementos estruturais da fotografia para criar obras que estabelecem diálogos directos com algumas das práticas e das preocupações conceptuais das vanguardas históricas. Introduzindo no processo de captação e revelação da imagem um conjunto de acções associadas com o contexto pictórico, a artista estabelece um universo onde impera a ambiguidade, a estranheza e a justaposição, e se despistam as expectativas que habitualmente temos quanto à capacidade documental e informativa da fotografia.

     

    Anne Lefebvre nasceu em 1963 em Boulogne-Billancourt, na França. Estudou pintura na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts, de Paris, e fotografia na Parsons School, na mesma cidade. O seu trabalho tem sido exposto amplamente em França, na Bélgica e na Alemanha. A par de presenças pontuais em exposições colectivas, Anne Lefebvre tem marcado presença em Portugal sobretudo através dos livros que editou com a Pierre von Kleist.


    Pedro Henriques
    nasceu em 1985 no Porto. Estudou Pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Expõe regularmente desde 2008. Das suas recentes exposições, destaque para as apresentadas em espaços como Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes – Coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes (2018); Národní Galerie, Praga (2017); Galeria Pedro Alfacinha, Lisboa (2016); Museu de Serralves, Porto (2014 e 2016). Editou dois livros, ambos chamados Sidewinder (2013 e 2015), e foi finalista do Prémio EDP Novos Artistas em 2013.

     

     

    Galeria Zé dos Bois will open, on the 16th of May, at 10:30 p.m., two solo exhibitions by Pedro Henriques (Porto, 1985) and Anne Lefebvre (Boulogne-Billancourt, 1963). Pedro Henriques’s relationship with ZDB grew tighter in 2015 when the artist installed a studio in one of the Association’s rooms, in what is an ongoing, long-term residency. During this period, and following a close and regular contact with Natxo Checa, Pedro Henriques has furthered a body of work that explores the boundaries between image and object, putting forth increasingly sophisticated challenges to the viewer’s perceptual ability and testing the survival of the image at the time of its growing exhaustion. Anne Lefebvre’s relationship with the Portuguese context has been made mainly through her publications. Her work often stems from manipulating the structural elements of photography to create works that establish direct dialogues with some of the practices and conceptual concerns of the historical avant-gardes. By introducing into the process of the image’s capture and revelation a set of actions mainly associated with the pictorial context, the artist establishes a universe where ambiguity, strangeness and juxtaposition prevails, and our expectations regarding the documental and informational facultis of photography are questioned.